Catarina Maria Esteves de Oliveira

Título de la comunicación / Titulo da comunicação
O Hospital da Misericordia de Viana da Foz do Lima. Uma fachada singular para uma “nova Lisboa” em finais do século XVI

Resumen / Resumo
O Hospital da Misericórdia de Viana da Foz do Lima (actual Viana do Castelo) é considerado um dos edifícios mais invulgares da arquitectura quinhentista portuguesa, destacando-se sobretudo devido à sua fachada, onde conjuga uma loggia com dois registos superiores de balcões, numa estrutura de granito acentuadamente vertical. O que sobressai no conjunto são as exuberantes varandas, que albergam um programa decorativo pleno de fantasia e erudição licenciosa, povoado por bustos humanos em alto-relevo, monstros e um conjunto de atlantes e cariátides no suporte dos vãos, inspirado no Maneirismo do norte da Europa.

Evidenciando-se no conjunto dos edifícios assistenciais coevos, esta obra foi erigida entre 1583 e 1591, na praça principal de Viana, pela sua confraria mais poderosa, numa época em que a (então) vila, impulsionada pelo comércio transatlântico do açúcar, conheceu um momento ímpar de progressão económica, urbana, social e cultural que lhe valeu o apelido de “nova Lisboa”.

Actualmente, o edifício da Misericórdia continua a impor-se no tecido urbano de Viana, sendo considerado um ex-libris local. A relevância e singularidade da sua fachada, no âmbito da história da arquitectura quinhentista portuguesa, contribuíram para a sua classificação como Monumento Nacional em 1910, num dos primeiros atos de legislação de proteção patrimonial em Portugal.

Esta comunicação irá apresentar a trajectória do Hospital “das varandas da Misericórdia e da sua magnífica fachada de gosto flamengo, desde a fundação até ao presente, procurando identificar as semelhanças e as diferenças entre a obra que a irmandade pretendeu edificar no século XVI, e o edifício que hoje faz parte da identidade vianense. Através da história da edificação e da análise iconográfica e iconológica do programa de decoração esculpida do frontispício, serão examinados os factores que transmutaram um edifício de assistência hospitalar num marco artístico, social e urbanístico.

Currículum vitae
Catarina Oliveira (catarina.e.oliveira@gmail.com) é licenciada em História, variante de História da Arte (1998), e Mestre em Arte, Património e Restauro (2003) pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Actualmente, é doutoranda na mesma instituição, encontrando-se a realizar uma dissertação com o tema A perfeita imperfeição. Formas e símbolos da decoração esculpida da arquitectura da escola dos Lopes (1553-1603), orientada pela Professora Doutora Ana Goy Diz, da Universidade de Santiago de Compostela, e co-orientada pelo Professor Doutor Vítor Serrão, da Universidade de Lisboa.

Os seus interesses de investigação centram-se na arquitectura da segunda metade do século XVI e primeira metade do século XVII, em especial a iconografia e a iconologia dos programas ornamentais arquitectónicos.

Desenvolve a sua actividade profissional na Direção-Geral do Património Cultural, designadamente no Inventário do Património Imóvel, onde faz investigação na área do património arquitectónico português classificado e em vias de classificação.