Manuel Joaquim Moreira da Rocha

Título de la comunicación / Titulo da comunicação
Renovação da “imagem” da cidade pela alteração das fachadas: transformação e convivência

Resumen / Resumo
As cidades foram sempre habitadas por uma população heterogénea que habita e convive o mesmo espaço construído. Os habitantes fazem parte de uma comunidade coletiva e plural que se Identifica nas arquiteturas que fazem parte do espaço urbano da sua cidade.

Reconhecem-se nas ruas e as praças que definem e caraterizam a paisagem arquitetónica da cidade. Pelo significado e simbologia das arquiteturas monumentais reencontram-se como coletividade humana com identidade comum. Como salientou Leon Batista Alberti a cidade é uma casa grande.

A partir de finais do século XV a arquitetura da cidade reclamou a atenção de arquitetos e dos “homens do poder”. A tratadística internacional que foi publicada durante os séculos XVI, XVII e XVIII e que reconhece a arquitetura como meio de intervir na construção da cidade, motivou a proliferação de estudos científicos locais de que fazem parte o Tratado da Ruação de José de Figueiredo Seixas ou o Mapa das Ruas de Braga realizado no ano de 1750.

O alargamento natural do perímetro das cidades portuguesas a partir do século XVI obrigou à demolição de estruturas que limitavam o espaço da cidade e à renovação de edificações antigas para continuarem integradas na arquitetura da cidade. A renovação das fachadas publicas de espaços arquitetónicos antigos reintegra o edifício na paisagem urbana e atualiza o seu significado cultural na imagem da cidade.

Currículum vitae
Manuel Joaquim Moreira da Rocha (manuel.rocha.pt @gmail.com) é Professor Auxiliar, com Agregação, da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Departamento de Ciências e Técnicas do Património, e Investigador Integrado do CITCEM. Iniciou-se na investigação entre 1980 e 1987, com D. Domingos de Pinho Brandão. Licenciou-se em Ciências Históricas, em 1989. Em História da Arte, concluiu mestrado em 1995, doutoramento em 2004 e provas de agregação em 2008. É especialista em História da Arquitetura dos séculos XVI-XVIII, dedicando-se à investigação de temas relacionados com a produção artística da Época Moderna, a Arte Religiosa, a arquitetura habitacional, alargando geograficamente o seu estudo ao mundo de expressão portuguesa, cruzando métodos e técnicas da investigação em História da Arte. Conferencista em encontros científicos nacionais e internacionais. Autor de mais de cinquenta trabalhos científicos, entre os quais A Memória de um Mosteiro – Santa Maria de Arouca (Séculos XVIII-XX). Das Construções e das Reconstruções.