Sílvia Cristina Teixeira Ramos

Título de la comunicación / Titulo da comunicação
A Porta da Arrábida: metamorfose de um desígnio

Resumen / Resumo
Ao longo das três décadas que decorrem entre os anos 40 e 70 do século XX, arquitetos e urbanistas de renome empenham-se em associar a noção de porta ao alto do monte da Arrábida, no Porto (Portugal). Nos cinco planos parciais de urbanização que desenvolvem, a nova Ponte da Arrábida é invariavelmente entendida como oportunidade para o redesenho da fachada sul da cidade, voltada ao rio Douro, evocando princípios e desejos que alimentam a cidade moderna e a sua sociedade.

A comunicação a apresentar irá propor uma hipótese de leitura sobre este conjunto de planos, alicerçada na vontade de perceber, através do desenho, como cada arquiteto, respondendo às ideologias e circunstâncias específicas do momento em que trabalha, deu forma à noção de porta. A interseção desta leitura com o conhecimento do “tempo longo” da transformação urbana do monte da Arrábida irá permitir concluir que a ideia da sua construção como fachada símbolo é muito antiga e encontra a sua origem na geografia do sítio – a Arrábida é naturalmente ponto de entrada na cidade do Porto e momento singular da sua fachada urbana.

Currículum vitae
Sílvia Ramos (sramos@arq.up.pt) nasceu no Porto, em 1983. É arquiteta, licenciada pela Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto (FAUP), em 2008, doutorada pela mesma faculdade, em 2017, e investigadora do seu Centro de Estudos de Arquitetura e Urbanismo (CEAU-FAUP), desde 2013.

Desde que se licenciou, dedica-se ao exercício do projeto em colaboração com outros arquitetos. Destaca-se a colaboração com Francisco Barata Fernandes e Helder Casal Ribeiro, na elaboração e implementação em obra de projetos de equipamentos coletivos, escolares e culturais.

Em 2011/12, ingressou no Curso de Doutoramento em Arquitetura (PDA-FAUP). Entre 2013 e 2017, foi bolseira de investigação da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT). Nos anos letivos de 2013/14 e de 2014/15, foi assistente convidada na Unidade Curricular de História da Arquitetura Portuguesa do curso de Mestrado Integrado da Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto (MIARQ-FAUP).